Curiosidades

Steve Jobs: A faceta profissional mais desconhecida do génio

Conhece como Steve Jobs marcou a indústria do entretenimento e computação gráfica

Diogo Simões
5 de Out de 2021
7 minutos de leitura
TecnologiaCinema e TV

Índice

Sendo um título repuxado, é certo que nem todos sabem de que forma Steve Jobs, o famoso impulsionador da famosa Apple, se envolveu na criação da empresa que mais significado deu, e continua a dar, aos apaixonados por cinema. Sim, falo da Pixar e da forma como Jobs revolucionou a animação.

A Pixar

Photo by Max Cortez / Unsplash

Para quem não sabe, a Pixar nasceu como uma parte integrante da famosa LucasFilm, a famosa produtora dos filmes vanguardistas de Star Wars. E foi assim que John Lasseter, antigo animador da Disney antes de trabalhar na LucasFilm, lançou, em 1984, a sua primeira animação 3D.

Todavia, dois anos mais tarde, Steve Jobs compra a Pixar por 10 milhões de dólares e que levou a que tal decisão fosse, em 2004, considerada a mais estúpida da história do cinema. Todavia, ao olharmos para o panorama atual, facilmente compreendemos como Steve Jobs não poderia ter estado mais certo, numa aposta que rendeu mais de 30 Óscares. Porém, nem tudo começou de forma certa e demorou até que o grande sucesso chegasse, por fim, para demonstrar a visão do que Steve queria.

Na verdade, quando Jobs apelou ao quadro de administração da Apple para a compra da Pixar, este acabou por perceber como era uma aposta cujo único interessado era ele. Todavia, as coisas mudaram de figura quando a Pixar vendeu o seu primeiro computador por $105,000. Steve vendeu então a maioria das suas ações na Apple e recomeçou de novo a sua jornada de adquirir a Pixar. Ao financiar uma nova empresa de computação, a NeXT Inc. com 12 milhões de dólares, Jobs encontrou-se com Lucas e, em 1986, pagou 10 milhões de dólares pela Pixar.

Esta compra levou a que Jobs indicasse à equipa que era tempo de meter os sonhos da animação e de filmes de lado para se concentrarem em técnicas de gráficos e que fossem possíveis de gerar lucro.

A primeira animação

A primeira animação apareceu em 1986 e rendeu logo uma nomeação para os óscares, com uma curta chamada Luxo Jr. Após isto seguiui-se Red´s Dream.

Não sendo propriamente um filme, Red’s Dream serviu para demonstrar as novas técnicas de imagem computacional. Todavia, nem tudo deu certo, já que as limitações de memória do computador levaram a que o grupo criativo abandonasse este estilo de animação por alguns projetos.

Com esta animação ficou demonstrado o desejo de demonstrar a capacidade do Pixar Image Computer (PIC) e na forma como os programas desenvolvidos (RenderMan) começavam a permitir a criação de texturas e cores em objetos 3D. Isto potenciou ao desenvolvimento de Tin Toy, a primeira animação gerada por completo num computador e que ganhou o prémio da academia para melhor curta de animação, em 1988.

O que mais Jobs impulsionou?

Steve Jobs, enquanto CEO da empresa, consegue expandir as capacidade gráficas e de animação da empresa, tendo unido forças com a Colossal Pictures, em 1989. Este estúdio, especializado em live action, animação e efeitos especiais, potenciou a entrada da Pixar em ambientes televisivos e em filmes comerciais. Isto potenciou ao licenciamento de diversas patentes a respeito do programa revolucionário utilizado pelo estúdio, o RenderMan.

O programa continua a ser usado nos dias de hoje, sendo pioneiro.

Isto levou a diversos produtos, quer de software, como de hardware e que potenciaram o crescimento financeiro da empresa. Isto levou a um investimento em pessoal e na capacidade de gerar uma maior renderização de material. Infelizmente, este investimento e lucro de 3,4 milhões de dólares não eram suficientes para as contas da empresa e que levou a alguns despedimentos. Jobs, com a sua visão descrita como complicada pela falta de sustento para a sua visão, foi chamado para salvar a empresa. Como sabemos pelo estado atual, a salvação veio e teve um nome...

Toy Story

Estreado em 1995 e tendo Jobs como produtor executivo, tornou-se no primeiro filme completo gerado em pleno pelo computador. Foi o filme que permitiu à Walt Disney Studios assinar um contrato de distribuição e com a promessa de mais três filmes gerados inteiramente neste formato digital pela Pixar. A Disney, claro, seria quem entrava com os fundos para a produção e marketing dos filmes.

Buzz Lightyear in Toy Story Land
Photo by Ashley Van Nuys / Unsplash

Este sucesso levou a que a própria Pixar se juntasse à Microsoft a respeito do seu RenderMan, levando a lucros de 10,6 milhões de dólares. Momentos que, juntos com o sucesso nas bilheteiras de Toy Story, levaram a que Jobs tivesse recuperado o seu investimento inicial de 10 milhões de dólares, ao embolsar 50 milhões de dólares.

“O Steve Jobs aparecia quase todas as semanas e tinha um respeito enorme pelo que nós estávamos a fazer na Pixar, sabia que a nossa experiência era muito mais produtiva que a dele, que vinha da área de tecnologia e design”, disse Afonso Salcedo. Ele sempre teve uma paixão enorme e uma crença de que estávamos a fazer uma coisa nunca antes feita”, continuou. “Sempre nos deu espaço para criarmos ideias e seguirmos em frente com projetos que nunca tinham sido feitos”.

— Declarações de Afonso Salcedo, um português que trabalhou na Pixar sob o comando de Steve Jobs.

E a Apple?

Na verdade, por esta altura, a Apple não estava num bom caminho, estando perto da rotura financeira. Isto fez com que Jobs fosse em socorro da empresa que fundara e, em 1997 logo após a Apple comprar a sua NeXT Inc., Jobs conseguiu o que todos duvidavam: de executar com sucesso dois trabalhos. Na verdade, Jobs não só apresentou o primeiro iMac (em 98), como manteve a Pixar a liderar as bilheteiras com o seu segundo filme financiado pela Disney: Uma Vida de Inseto.

Nem tudo deu certo

Apesar de todo o sucesso na Pixar, Steve desentendeu-se com o então CEO da Disney, Michael Eisner, que dificultou as negociações a respeito dos lucros entre as duas empresas. Tal levou a que, em 2004, Jobs rompesse o seu vínculo com a Disney e procurasse ativamente por outras empresas. Contudo, foi após o novo CEO da Disney, Bob Iger, chegar à frente e conseguir negociar com Steve Jobs. Este momento permitiu à Pixar voltar a trabalhar com o estúdio e a lançar os filmes no verão americano, deixando de lado os lançamentos pelo natal.

O seu futuro na Disney

Em 2006 a Disney anunciou a compra da Pixar, o que catapultou o investimento feito pelo visionário Steve Jobs, levando a que este mantivesse uns impressionantes 7% da Walt Disney, o maior acionista individual. Tal potenciou ainda um lugar no conselho de administração. Na verdade, Steve Jobs ficou com mais ações do que o ex-CEO da Walt Disney, que detinha 1,7%, e do diretor emérito da Disney, Roy E. Disney, que detinha somente 1%.

Como era, na verdade, Steve Jobs?

É pelo testemunho do português Afonso Salcedo, que trabalhou na Pixar (entre 2005 e 2011), que nos é dado a revelar como Steve, um dia de manhã "ele viu-me a aproximar e decidiu, em vez de entrar, ficar com a porta aberta à espera que eu chegasse".  

Segundo Salcedo contou em entrevista à Lusa no ano passado, o CEO da Pixar nunca mais se esqueceu de si, perguntando, sempre que o via, em que estava a trabalhar. De acordo com o artista, Jobs era "muito intenso" nos diversos momentos de trabalho e que procurava motivar as pessoas.

Também Bob Iger, na biografia publicada em 2019, revelou como se tornou próximo e um amigo de Steve Jobs. Em como, num banco de jardim, e antes de se anunciar a compra da Pixar pela Disney, Steve perguntou a Iger se poderia ir caminhar consigo.

Os dois caminharam, Steve colocou o braço por detrás das costas de Iger e disse-lhe que lhe iria contar algo que só a mulher e médico sabiam. Nesta conversa, Jobs contou a Iger que o cancro tinha voltado e que lhe contava para saber se ele queria sair do negócio que estavam prestes a anunciar. Iger pediu-lhe alguma perspetiva, e a resposta de Steve foi a de que o filho se iria formar em quatro anos e ele estaria lá, a assistir. Iger assegurou-o e de que iria continuar com o negócio, dando origem a uma amizade sólida de confiança. Para quem não sabe, o próprio Bob Iger fazia parte do quadro de diretores da Apple, tendo saído do cargo em 2019, pela concorrência dos serviços Disney+ e Apple TV+.

Entradas e saídas à parte, Steve Jobs consagrou-se como um filantropo e visionário e, quer com exigência ou humanismo, moldou e tocou aqueles que não só o conheceram, como trabalharam ou privaram das suas vidas com ele.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.