Opinião

A morte anunciada do Facebook?

Pedro Rodrigues
13 de Mai de 2021
3 minutos de leitura
Tecnologia
Photo by NeONBRAND / Unsplash

Índice

Ao longo dos últimos anos temos assistido ao nascimento e crescimento de várias redes sociais, muitas deles caracterizadas como sendo "o próximo Facebook". A verdade é que poucas conseguiram alcançar o que a gigante norte-americana conseguiu, indicando perto de 2 mil e 800 milhões de utilizadores mensais ativos, no último quarto de 2020.

Apesar de se manter como uma das redes sociais com mais utilizadores ativos, o Facebook tem vindo a perder estatuto, principalmente junto das novas gerações, que têm abandonado a plataforma para se juntar a outras redes mais aliciantes.

Desde o início do seu declínio, com o aparecimento das redes sociais como o Snapchat, Instagram (que foi depois comprado pela Facebook) e mais recentemente o Tik-Tok, o Facebook tem vindo a fazer os possíveis para se manter relevante junto do público mais novo, tentando trazer funcionalidades oferecidas por essas plataformas para a sua própria rede social, e até comprando algumas dessas plataformas concorrentes como fez com o Instagram e Whatsapp.

Ainda assim, estes esforços não estão a ter o sucesso necessário, uma vez que o número de utilizadores tem vindo a decrescer a olhos vistos.

Quais serão então os principais problemas do Facebook? Porque é que está toda a gente a sair para outro lado?

Saída dos Jovens

Bem, nem toda a gente está a sair do Facebook. A verdade é que o que começou inicialmente por ser chamada de "a rede social dos jovens", passou a ser apelidade de "rede social dos pais" e agora é praticamente a "dos avós".

A facilidade de comunicação entre pessoas que o Facebook trouxe fez com que toda a gente quisesse participar, podendo assim falar com aquele familiar que está lá fora ou o amigo que não vêem há 10 anos. Isto trouxe gente de todas as idades, desde os mais novos aos mais velhos.

E toda a gente sabe como são os jovens. Não queremos que os pais e avós vejam aquilo que fazemos com os amigos. Como tal, com a chegada dos mais velhos, os mais novos sairam para redes sociais onde podem estar "mais à vontade".

Photo by Joseph Chan / Unsplash

Demasiado Pessoal

Esta situação deveu-se também ao facto do Facebook forçar a existência de contas extremamente pessoais, não permitindo nomes que não os reais e criando uma ligação entre todas as áreas de ação da vida de cada um.

Ou seja, não é possível criar um perfil para a vida profissional e outro para a pessoal, juntando assim no mesmo local as pessoas do trabalho e de "casa", o que é possível ultrapassar noutras redes sociais, podendo até cada pessoa ter várias contas.

Redução do Alcance

Com o aumento de utilizadores, aumentou também o número de páginas e o número de publicações existentes no feed de cada utilizador do Facebook. Tendo isto em conta, o alcance das publicações foi reduzido, sendo que só seria apresentado a cada utilizador aquilo que o próprio gostasse efetivamente (mesmo que tivesse Gosto na página ou fosse amigo da pessoa que fez a publicação).

Desta forma, as páginas que pretendessem manter o mesmo alcance teriam que comprar anúncios. Isto significa que, para que os posts chegassem aos utilizadores que já seguiam da página, as páginas tinham que pagar. ¯\_(ツ)_/¯

What People Really Do On Facebook
Photo by Glen Carrie / Unsplash

Problemas de Privacidade

Com este modelo o Facebook percebeu que os dados obtidos através do comportamento dos seus utilizadores eram demasiado aliciantes para não serem utilizados. Passou então a recolher cada vez mais dados, permitindo que os anúncios fossem mais e mais corretos e precisos de acordo com o que cada pessoa gostava de ver na sua página inicial.

Este passou a ser então o modelo de negócio principal do Facebook. A recolha dos dados dos seus utilizadores, não só apenas na sua própria rede social, mas também através de grande parte da internet, inserindo código que analisa o comportamento dos utilizadores também nos botões de partilha que a maioria dos sites tem.

Estes dados são posteriormente tratados de forma a obter o máximo de informação possível sobre cada utilizador, criando assim um modelo que representa com precisão aquilo que cada pessoa é e faz na internet, desde o tipo de comida que mais gosta ao mood em que se encontra num determinado dia.

Estes dados permitem ao Facebook apresentar anúncios quase perfeitos, e é por isso que as marcas decidem continuar a investir e a comprar anúncios nesta rede social.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.