Crónica

Competitividade Made In China

Crónica semanal de Tecnologia. Aos sábados, às 12h.

Marcus Mendes
14 de Ago de 2021
3 minutos de leitura
Tecnologia

Não sou um grande conhecedor da cultura oriental e começo o meu primeiro texto no Updated a pedir desculpas por uma generalização talvez injusta e ingénua. Mas acho que, se existe um adjetivo que pode ser atribuído à cultura oriental ela, de forma bem geral, é disciplina. Outro, talvez, é perenidade.

Por favor, corrijam-me se estiver errado, mas tenho a impressão de que especialmente em situações extremas, mais do que em qualquer outro povo, a cultura oriental determina que o compromisso inabalável com o objetivo final (seja ele qual for) está acima de tudo, e não há justificação ou sequer espaço para desviar do curso proposto até que este objetivo seja atingido com vigor e de forma inquestionável.

Quando observo as notícias recentes vindas da China, quando o assunto são as empresas nacionais de tecnologia, é justamente com este olhar que eu reflito sobre a situação. Para quem não sabe o que está a acontecer, é o seguinte: no dia 30 de junho, a empresa Didi Chuxing (que mal-comparando, é a Uber da China) fez a oferta inicial de ações na bolsa de Nova Iorque.

Ela levantou US$ 4,4 milhões, ficou avaliada em US$ 70 milhões e, dois dias depois, o governo chinês proibiu a empresa de aceitar perfis de novos utilizadores. Mais do que isso, ele também determinou a remoção da aplicação da Didi das lojas de aplicações menos de uma semana após a estreia na bolsa de valores (que foi a maior estreia do ano até agora, diga-se de passagem), ela viu o seu valor de mercado despencar em mais de 20%. Este movimento segue até hoje. Enquanto escrevo este texto, ela já perdeu 36% do valor de mercado original. Ops, 37% agora.

Conforme os dias foram passando, alguns detalhes de bastidores foram surgindo sobre esta situação. O governo chinês havia alertado a Didi que ela seria alvo de novas medidas regulatórias e, por isso, seria melhor adiar a oferta inicial, mas a Didi seguiu em frente com plano. Deu no que deu.

Mas qual foi o problema que o governo chinês teve com a Didi. Bem, esta parte ainda é parcialmente desconhecida, mas o que já foi informado ao mercado é que o governo entendeu que a Didi estava a recolher dados pessoais de forma ilegal. O governo determinou uma série de mudanças (que ainda não foram detalhadas), e a Didi vem a trabalhar para implementá-las.

Pois bem. Alguns dias depois de todo este imbróglio com a Didi, surgiram mais situações parecidas. A Tencent suspendeu o registo de novos utilizadores do WeChat (que, para quem não conhece, é a app mais usado do país), a ByteDance revelou que havia adiado o seu IPO a pedido do governo chinês, e o valor de mercado de todas essas empresas, incluindo as gigantes Alibaba e Baidu passaram a despencar num grau um pouco menor comprado com o da Didi.

Mas, para que tudo isso? Pois bem, esta semana o governo chinês pronunciou-se no que imagino que será o mais próximo de uma explicação que teremos de Beijing. A intenção destas novas regulamentações é preservar um ambiente de concorrência saudável e, claro, de controlo sobre o segmento de tecnologia. Por isso, inclusive, estas novas regulamentações serão anunciadas, mantidas e promovidas até pelo menos 2025, custe o que custar.

E já está a custar bastante. Apenas em julho, a desvalorização conjunta das empresas chinesas somou US$ 150 milhões, e este déficit só aumentou nas últimas semanas.

Analisando a (aparente, vai saber) intenção do governo chinês, parece-me ser o caso que a explicação  mais simples é: ele não que aconteça por lá o que aconteceu nos Estados Unidos, onde empresas como o Facebook, a Amazon, o Google e a Apple se tornaram mais poderosas do que o próprio governo, e controlarão por muito tempo o mercado de tecnologia.

Curiosamente, o mais próximo de uma medida assim vinda dos Estados Unidos recentemente foi toda a confusão com o TikTok que, como eu previ desde o começo, não deu em absolutamente nada. Comparando esta situação com as medidas (e com as consequências) imediatas que já aconteceram na China, fica bem claro o motivo pelo qual as grandes empresas de tecnologia já estão completamente além de uma possível regulamentação e volta a um ambiente saudável de concorrência, e como a China não permitirá que aconteça o mesmo por lá.

Por fim, um último pensamento: é claro que interferências do governo anulam completamente a proposta de livre mercado, e a China nunca foi exatamente um exemplo unânime de justiça ou social. Não estou a defender aqui que a atitude da China esteja correta, ou seja, mais correta do que a dos Estados Unidos.

Dito isso, o fato da China ter observado o que aconteceu nos Estados Unidos e ter decidido que não permitirá que o mesmo aconteça por lá, a respeito de uma previsível redução dramática no valor de mercado de todas essas empresas (e, por extensão, do próprio país), será um curioso estudo de caso para ser observado.

É claro que a China não poderá manter esta atitude para sempre, afinal, também é interessante para ela que as empresas domésticas fiquem cada vez mais valorizadas. Mas se, em 2025, de fato existir um mercado mais competitivo, mais aberto e mais inovador do que em 2021, mais uma vez a disciplina e a perenidade ter-se-ão provado eficazes, ainda que bastante maquiavélicos.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.