Cinema e TV

Homem-Aranha: Sem Volta a Casa - O melhor filme de sempre?

Uma crítica generalizada ao filme mais esperado do ano

Diogo Simões
16 de Dez de 2021
3 minutos de leitura

O cinema representa muitas coisas. Para muitos, a manifestação pura de arte, para outros, uma conexão sem fim das infinidades de ideias do ser Humano. É uma arte onde muito se faz e onde, muitas das vezes, interesses financeiros acabam por ditar as regras do jogo. O certo é que, no final, quem ganha ou é o estúdio, o público ou a crítica especializada. Com este terceiro filme do Homem-Aranha encabeçado pelo Tom Holland, quem ganhou foram mesmo todos.

Uma crítica sem spoilers

Torna-se importante destacar o facto de que não revelarei elementos fulcrais do filme neste artigo, mas o meu entorpecimento com a ante-estreia de ontem não me poderia deixar indiferente a este filme. A não vos escrever e contar-vos como, a 15 de dezembro de 2021, contra guerras comerciais e de direitos, a parceria inusitada entre a Sony e a Disney/Marvel deu ao mundo um filme que será impossível de esquecer.

A premissa da história consegue facilmente ser percetível pelos únicos dois trailers e de como Peter Parker se vê diante de uma asneira de todo o tamanho ao tentar que todos se esqueçam a sua identidade secreta. Adolescente que é, acaba por estragar tudo. Contudo, é graças a esta asneira e este momento de crescimento que o filme se desenrola. É onde Tom Holland entrega uma atuação incrível em momentos únicos para a saga do aracnídeo e onde caras do passado aparecem para fazer as delícias dos fãs. Falo, claro, de Alfred Molina, Jamie Fox e Willem Dafoe nos seus icónicos papéis, quer da trilogia original, quer o Jamie, de O Fantástico Homem-Aranha.

Seria fácil de pensar que, com tanto vilão, os arcos das personagens ficassem esquecidos. O certo é que Jon Watts transmite pela sua realização um crescimento e desenvolvimento de todas as personagens ao ponto de emocionar o espetador. Era audível na gigantesca sala IMAX os aplausos, risos, suspiros e lágrimas da ação desenrolada. E, honestamente, pelos dois filmes passados, não imaginava que o realizador conseguisse esta jogada de mestre onde nos mostra uma fotografia fabulosa e, no meio dela, o que representa realmente ser Homem-Aranha e como "com grandes poderes vêm grandes responsabilidades".

A banda sonora ajuda, imenso, como diversas elementos dos filmes passados e que ajudam no final emotivo, poético e que mostra o Peter Parker que todos conhecemos dos comics e da trilogia original.

Como ponto negativo, tenho de apontar alguns dos efeitos especiais que pareceram toscos e que, por conta da ação, não pareceram finalizados da forma correta. Contudo, uma vez que estamos diante de um filme cujos trabalhos de pós-produção foram amplamente realizados em casa, a experiência é mais que satisfatória e mostra como Sony-Disney/Marvel estiveram empenhadas em dar o melhor filme de sempre da personagem e como pensaram, até ao último detalhe, nos fãs.

Tendo acompanhado esta personagem ao longo do meu crescimento, desde criança até jovem-adulto, Homem-Aranha 3 dá uma conclusão à trilogia iniciada em 2017 e, a cada fã, uma razão para acreditarmos no poder da empatia.

Homem-Aranha — Sem Volta a Casa está já nos cinemas e conta ainda com duas cenas pós-créditos e que farão o espetador e fã da Marvel ficar de queixo caído.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.