Tecnologia

Jolla, empresa responsável por alternativa ao Android, tornou-se rentável em 2020

O SailfishOS é um sistema desconhecido para quase todos, mas a sua história dá alento a novos concorrentes do mercado.

Eduardo Silva
9 de Set de 2021
4 minutos de leitura

Em 2011, a Nokia cancelou o seu projeto MeeGo, uma nova plataforma para smartphone, dando prioridade ao sistema operativo Windows Phone da Microsoft, numa parceria que viria a ser ruinosa.

O Nokia N9 foi o primeiro smartphone com este sistema

Após essa parceria, o projeto MeeGo, que muitos poderão pensar ter ficado no esquecimento, foi reaproveitado pela então recentemente formada empresa Jolla, que por sua vez deu origem ao sistema operativo Saifish OS.

Tanto a Jolla como o Sailfish OS serão desconhecidos para a grande maioria dos fãs de tecnologia. Afinal, o mercado subsume-se, atualmente, aos sistemas Android e iOS, com a Huawei a tentar a sua sorte com o Harmony OS mais recentemente.

No entanto, não podemos descartar de todo esta alternativa que é o Saifish OS, especialmente quando em 2020, após dez anos praticamente no anonimato, este sistema tornou a sua desenvolvedora finalmente rentável.

O Sailfish OS a correr num dispositivo Sony Xperia

Verdade seja dita, a probabilidade de nunca teres visto um smartphone a correr o Sailfish OS, é mais que muita. Mas então de onde virá a rentabilidade da Jolla?

Pois bem, enquanto os principais sistemas quase se guiam sozinhos num mercado dependente de ambos Android e iOS (veja-se as dificuldades pelas quais a Huawei tem passado no seu abandono ao Android e aos serviços Google), o Sailfish OS tem aproveitado (e muito bem) as oportunidades de mercado junto dos seus parceiros comerciais, mantendo-se também disponível para um certo nicho de utilizadores entusiastas.

O Sailfish OS pode ser obtido por qualquer pessoa, tendo disponível um teste gratuito ao software e podendo ser adquirido por apenas 49,90 euros, numa versão bem mais completa e que oferece suporte para aplicações Android, atualizações de software frequentes, apoio técnico e outras funcionalidades.

Como acima mencionado, a Jolla mantém os seus parceiros comerciais, levando o Sailfish OS a parceiros governamentais e empresas, sendo uma das principais fontes de rendimento da empresa.

Não deixa de ser interessante que este software, que acaba por ser uma alternativa ao Android, se continue a alicerçar em aplicações do sistema operativo da Google. A verdade é que a sua inclusão permite uma transição bem mais fácil para o sistema, já que, para alguns utilizadores, certas aplicações são imprescindíveis.

Tendo conhecimento deste facto, a Jolla oferece outro serviço que se prende com a compatibilidade de apps. O AppSupport é um serviço dedicado a plataformas Linux e que, tal como o nome indica, garante o suporte para aplicações Android em sistemas baseados no Linux, como é o caso dos sistemas de infoentretenimento de veículos.

Ao ver esta alternativa aparentemente tão viável, torna-se pertinente questionar sobre o porquê de ser tão incomum encontrar alternativas ao sistema operativo Android. A verdade é que estas existem, dividindo-se entre programadores independentes e empresas reconhecidas.

O LineageOS vai já na sua 18ª versão, baseada no Android 11

A principal alternativa é o LineageOS, que se alicerça nos mesmos princípios que o seu antecessor, o CyanogenMod. Este sistema open-source tem sido alimentado por um trabalho que desde a sua origem se alimenta do conhecimento e empenho da comunidade em seu torno. Este sistema, no entanto, baseia-se no sistema Android e o seu principal ponto atrativo é a chegada das mais recentes versões do software a smartphones mais antigos.

Por outro lado, como acima mencionamos, a própria Huawei é uma das empresas que atualmente está a oferecer uma alternativa ao Android. O HarmonyOS é um sistema preparado não apenas para smartphones, mas para todo o tipo de equipamentos inteligentes no qual poderá ser instalado e utilizado. A Huawei pretende uma integração do seu ecossistema, com todos os seus aparelhos interconectados através do novo sistema operativo.

A verdade é que, contrariamente ao SailfishOS ou ao LineageOS, a Huawei teve de cortar mais do que alguns lanços com o Android, já que o seu acesso a aplicações deste sistema se viu limitado, ficando impedido de utilizar aplicações Google e aceder à Play Store (o Petal Search e a AppGallery têm, entretanto, sido importantes para atenuar a falta dos serviços Google).

Relativamente à Huawei, Sami Pienimäki, cofundador e CEO da Jolla, acredita que esta não estará no mercado para concorrer com a sua empresa, nem tampouco que o HarmonyOS vem concorrer com o SailfishOS

"Não vejo necessariamente a proposta da Huawei com o HarmonyOS e a sua tecnologia como competição para nós — acho que se trata de provar que existe apetite no mercado por qualquer coisa que não o Android."

O otimismo do CEO da Jolla não será infundado. Com um mercado cada vez mais dependente dos sistemas digitais e da Internet das Coisas, há também cada vez mais espaço para novas propostas de software surgirem e conquistarem o seu espaço. O SailfishOS, dez anos após estar perto de ser extinto, tornou-se numa alternativa de respeito ao Android e que poderá continuar a crescer de forma sustentada.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.