Ciência

Mitos e factos sobre a vacina contra a COVID-19

Várias dúvidas surgem todos os dias sobre a Vacina da COVID-19, e com essas dúvidas, mais mitos e pessoas descrentes.

Eduardo Silva
18 de Ago de 2021
4 minutos de leitura
Curiosidades
Photo by Mat Napo / Unsplash

Índice

A COVID-19 mudou o mundo em 2020, mantendo-se até ao dia de hoje um desafio diário para a sociedade que a tenta controlar e, eventualmente, erradicar. Este é, e continuará a ser, um processo demorado e que deve ser levado passo-a-passo, requerendo da população um elevado sentido cívico; dos líderes de cada Estado medidas de contenção da doença e incentivo à vacinação; e da ciência uma vacina o mais eficaz possível.

Todos estes elementos (e outros que não merecem menos destaque) são importantes para que possamos sonhar com um mundo sem COVID-19, mas nem todos parecem acreditar na capacidade do Ser Humano em dar resposta a tamanho desafio.

Por entre as dúvidas com as quais a sociedade é confrontada diariamente sobre a crise sanitária mundial, uma grande parte gira em torno das vacinas que são administradas. Atualmente, contam-se às milhões de doses tomadas a cada dia, o que eleva a esperança de um regresso à normalidade que conhecíamos no pré-COVID-19.

Talvez fruto do ceticismo humano, a vacina da COVID-19 tem sido apelidada por muitos descrentes de ineficaz e desnecessária e, mais grave ainda, têm sido criados vários mitos que podem desincentivar a população a aceitar administrar aquela que poderá ser a salvação de milhões de pessoas.

Assim, de seguida, vamos desmistificar alguns dos principais mitos sobre a vacina da COVID-19.

Se já fui diagnosticado com COVID-19, não preciso de tomar a vacina

Atualmente, ainda não existe informação suficiente por parte da ciência para tirar conclusões sobre o período de imunidade à COVID-19 logo após uma pessoa ter contraído a doença.

A conclusão a que se chega atualmente é a de que será sempre benéfico para as pessoas que já contraíram a doença tomarem a vacina, já que os riscos inerentes à doença em si e a forte possibilidade de ser novamente contraída, justificam um reforço das defesas do corpo humano através da vacina, que pode ser crucial para evitar efeitos mais gravosos.

A vacina contra a COVID-19 foi apressada no seu desenvolvimento e por isso não devemos confiar na sua eficiência e segurança

Este é um dos mitos mais comuns e que mais discussão gera na sociedade. Constantemente são colocadas questões sobre o desenvolvimento da vacina, num contexto de alta pressão e num período de tempo reduzido devido à sua urgência.

No entanto, há várias razões para a rapidez com que foi possível desenvolver vacinas prontas a administrar de forma segura e com uma comprovada eficiência, que tem prevenido milhões de mortes.

Assim, algumas das razões que nos permitem confiar na rapidez do desenvolvimento da vacina contra a COVID-19 passam pela forma como, por exemplo, a Pfizer/BioNTech ou a Moderna se basearam em métodos que vinham já a ser desenvolvidos, não requerendo, propriamente, um trabalho de raiz para esta vacina em específico.

Já quanto à testagem, ao contrário do que se pode acreditar, não foram avançados quaisquer passos, tendo sido cumpridos todos os protocolos, sendo certo que o que se verificou foi uma melhor agilização destes processos de testagem, devido ao caráter urgente.

Aliás, os governos dos vários países, tendo em consideração a grave situação vivida em todo o planeta, não colocaram entraves ao orçamento e aos meios para a pesquisa e o desenvolvimento da vacina por parte dos centros de investigação.

A vacina reduz a fertilidade das mulheres

Contrariamente ao que alguns rumores possam fazer acreditar, a fertilidade das mulheres não está em risco nem se verifica como um entrave à toma da vacina. Até ao momento, as vacinas são administradas e seguras e as entidades de saúde estão cientes sobre quais as vacinas mais adequadas para cada faixa etária.

A vacina possui uma dose enfraquecida da doença COVID-19

Ao contrário de algumas vacinas desenvolvidas com outros métodos em que é introduzida uma versão enfraquecida da "doença" no corpo da pessoa, de modo a haver uma resposta do sistema imunitário, a vacina contra a COVID-19 é uma vacina mRNA ou de Vetor Viral. Estes tipos de vacinas são alternativas que se têm afigurado cada vez mais viáveis, seguras e capazes de minimizar os riscos da vacinação, já que, em vez de uma versão enfraquecida da doença, a vacina dá ao corpo instruções sobre como combater a "doença".

Isto é, as vacinas mRNA e de Vetor Viral utilizam formas indiretas de ensinar o nosso corpo a combater a doença. No caso das vacinas mRNA, estas dão instruções ao corpo para produzir uma proteína que aciona o nosso sistema imunitário e o força a recolher a informação necessária para, mais tarde, oferecer uma resposta imunitária.

Já as vacinas de vetor viral, tal como o próprio nome indica, produzem um efeito semelhante às vacinas mRNA, utilizando para tal uma versão modificada de um vírus diferente do qual se pretende combater (que será o vetor) e que por sua vez dará instruções ao corpo e para este produzir a referida spike protein, obtendo um efeito muito semelhante às vacinas mRNA.

A vacina altera o ADN

Ao contrário do que se possa acreditar, ambas as vacinas mRNA e de vetor viral não chegam a entrar no núcleo das células do nosso corpo. Conforme referido anteriormente, este tipo de vacina foca-se em instruções dadas ao corpo para combater a doença quando em contacto com o vírus.

Assim, é infundado qualquer receio quanto a possíveis alterações no ADN, já que a vacina acaba por não ter acesso ao núcleo das células, onde se localiza, precisamente, o ADN.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.