Crónica

O atraso dos pombos legisladores

A crónica semanal, aos sábado, às 12h

Marcus Mendes
27 de Nov de 2021
3 minutos de leitura

“Senador, nós veiculamos anúncios”. Foi com essa frase e com um sorriso ironicamente desafiador no rosto, que Mark Zuckerberg respondeu ao seguinte questionário de um político americano: “Mas… se o Facebook é grátis, de onde é que esse dinheiro todo que ganham?”

Essa pergunta foi feita em 2018, em meio a dezenas de outras indagações não menos ridículas, rasas ou despreparadas por parte dos políticos americanos.

Para quem não se lembra, o que aconteceu foi o seguinte: em março de 2018, o analista de dados Christopher Wylie contou ao jornal The Guardian que o seu antigo empregador, a empresa britânica Cambridge Analytica, havia adquirido ilegalmente dados pessoais de dezenas de milhões de usuários do Facebook, e usava isso em campanhas políticas, incluindo a que havia eleito Donald Trump.

Esse foi o primeiro de uma série de escândalos quase diários sobre a forma abominável como Facebook opera (e segue operando, diga-se), e que no mês seguinte levaram o Congresso americano a convocar Mark Zuckerberg para dois dias de depoimentos sobre a empresa e sobre a privacidade (ou falta dela) dos seus utilizadores.

A expectativa para este depoimento era gigantesca dentro e fora do Facebook. No interessantíssimo livro An Ugly Truth, escrito pelas jornalistas Sheera Frenkel e Cecilia Kang, elas contam como Mark Zuckerberg e a sua equipa passaram noites em claro ensaiando cada resposta que os senadores poderiam perguntar, e preocupadíssimos com a forma como Zuck se portaria, já que ele historicamente sempre meteu os pés pelas mãos em situações públicas de desconforto. Fora do Facebook, a sensação (especialmente dentre os críticos da empresa) era de expectativa e de empolgação para uma inevitável alforria. Mark Zuckerberg seria castigado durante 2 dias, e o mundo inteiro iria acompanhar a sua ruína em tempo real.

Mas não foi isso que aconteceu. O que o mundo inteiro viu foram dois dias de perguntas descabidas, feitas por senadores mais interessados em ganhar pontos políticos com as próprias bases eleitorais do que em cumprir a pauta dos inquéritos. E pior, os poucos que se propuseram a tentar de fato expor Zuck pelo energúmeno que é, fizeram perguntas absolutamente insignificantes e descabidas.

Pois bem. Dito tudo isso, vamos agora ao presente. Ou quase presente. Quem costuma acompanhar as notícias vindas dos Estados Unidos deve ter ficado a saber do (revoltante) julgamento que inocentou Kyle Rittenhouse. Os detalhes desse julgamento não vêm ao acaso, mas lá pelas tantas a Apple (e mais especificamente a função pinch-to-zoom dos iPhones e dos iPads) entrou em pauta, com o argumento de que os logaritmos do sistema aplicavam inteligência artificial para exibir imagens e vídeos com zoom, e por isso mídias digitais com zoom não deviam ser utilizadas como provas válidas no julgamento. Perceba que eu escrevi logaritmos, e não algoritmos lá em cima. Foi assim que o juiz do caso e o advogado de defesa conversaram, sem qualquer ideia sobre o que estavam a falar. E o juiz do caso aceitou o argumento, proibindo a utilização de um vídeo que poderia ter mudado o veredicto.

Mas antes do veredicto, o juiz do caso voltou a tocar nesse assunto. Ele justificou a própria decisão de não permitir o uso de vídeos com zoom no julgamento, e… bem… apenas assista:

Tenho pensado muito neste vídeo e neste caso, e inevitavelmente isso remete-me também aos depoimentos de Zuck frente ao Senado americano. Para nós que gostamos (e entendemos) de tecnologia, é evidente o abismo que separa os legisladores e o mundo real. E empresas como o Facebook sabem disso. Elas aproveitam-se dessa incapacidade dos governantes de compreenderem os pormenores e, principalmente, as mudanças do mercado de tecnologia, e passeiam livremente por territórios que só não são ilegais porque as pessoas encarregadas de os tornarem ilegais sequer entendem que aquele território existe para começo de conversa.

E isso é uma grande pena. Fico a pensar numa entrevista em que Steve Jobs disse que (estou apenas parafraseando aqui) o tempo se encarregaria de tornar o mercado mais favorável a alguma decisão específica que a Apple havia tomado, o que foi um enorme eufemismo para dizer que era uma questão de tempo até os críticos da Apple morrerem, dando lugar à nova geração que entendia melhor a empresa. Penso muito nessa frase quando penso sobre o mercado de tecnologia, e confesso que sinto uma certa exasperação ao ver que a capacidade dos legisladores e dos políticos americanos de entenderem o mundo da tecnologia é basicamente a mesma apresentada por um pombo. E, nesses momentos, apesar de existirem obviamente  problemas, vejo justamente na Europa um raio de esperança. A forma consistentemente bem-informada e firme com a qual a União Europeia tem lidado com isso, especialmente quando o assunto é privacidade, faz com que pareça possível ainda na nossa geração vermos decisões que consigam impedir empresas como o Facebook de se esquivarem de qualquer responsabilidade sobre o que fazem.

Até lá, confesso que dói um pouquinho pensar no quanto todos teremos que esperar até que esse futuro seja imposto no único país onde isso realmente poderia fazer a diferença, mas que parece ser o mais distante de onde algo assim possa acontecer.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.