Crónica

O Cavalo de Zuck

Crónica semanal de Tecnologia. Aos sábados, às 12h.

Marcus Mendes
18 de Set de 2021
2 minutos de leitura

No meio de todas as notícias dos últimos dias, uma chamou-me à atenção em duas etapas. Primeiro, pela notícia em si. Depois, pela reação (ou falta dela) do público em geral – e especialmente do público mais ligado a tecnologia.

Falo dos Ray-Ban Stories, os óculos escuros conectados da marca, desenvolvidos em parceria com o Facebook. Ou essa foi a história contada no lançamento, quando a realidade não poderia ser mais distante. Digo isso porque estes não são óculos conectados da Ray-Ban. Eles são na realidade os óculos escuros com DUAS câmaras do Facebook, para os quais a Ray-Ban inexplicavelmente aceitou ceder a sua marca e associar a sua propriedade intelectual.

Para quem não sabe do que estou a falar, o resumo é o seguinte: os Ray-Ban Stories trazem duas câmaras de 5 megapixels, uma de cada lado da junção entre a armação e as hastes, que servem para capturar vídeos e fotos em primeira pessoa. Eles trazem um LED minúsculo branco que, quando aceso, indica que existe um vídeo a ser gravado, e possui microfones para captar o som ambiente e permitir a ativação do utilizador por meio de comandos de voz.

Longe de ser uma ideia inovadora, os Ray-Ban Stories do Facebook surfam na onda iniciada pelo natimorto Google Glass, continuada pelo curioso porém disparatado Microsoft HoloLens, e sucedida pelo casmurro Snapchat Spectacles. E se o HoloLens e os Spectacles conseguiram desviar da impugnação que veio em resposta ao Google Glass, com pelo menos um caso de uma pessoa que apanhou num restaurante ao expor os outros patronos a um registro indevido e, principalmente, não autorizado, os Ray-Ban Stories são a perfeita materialização do que o Facebook faz de melhor: enfrentar a rejeição ao absurdo com um absurdo ainda maior.

Sei que estamos a falar de uma empresa que não se deixa abalar pela responsabilidade de estar a ruir a democracia mundial. Esta é a empresa que lançou um display conectado com uma câmara embutida meses após o maior escândalo de privacidade da sua história. A mesma empresa que tem como diretor de ética o executivo que liderava a VPN que por anos foi usada como ferramenta de espionagem da concorrência. Sei que não dá para esperar muito.

E é justamente por isso que me estupefaz a decisão da Ray-Ban de ter aceitado não somente dar a sua marca, não somente dar os seus icónicos produtos, mas tomar para si a responsabilidade sobre a existência dos mesmos. Estes não são os Facebook Stories. Não São os Facebook/Ray-Ban Stories. Os menos atentos (os mesmos que NUNCA saberão que devem buscar por um indicador LED branco do tamanho de meio grão de arroz para saber se estão a ser filmados sem consentimento) nunca saberão que aquele produto, na realidade, é do Facebook. Eu sei disso, tu sabes disso e, principalmente, o Facebook sabe disso.

Ao lançar os seus óculos sob a chancela de outra empresa, o Facebook mostra que já se tornou um mestre na arte de conquistar o mundo e obliterar a nossa privacidade, um cavalo de Tróia de cada vez.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.