Tecnologia

O que significa o fim do formato APK?

Fica a saber o que poderá acontecer com o findar do formato de distribuição APK.

Diogo Simões
6 de Jul de 2021
3 minutos de leitura
Photo by Pathum Danthanarayana / Unsplash

Índice

Foi na semana passada que uma notícia agitou a internet: a partir de agosto, a Google irá obrigar novos programadores a desenvolver aplicações baseadas no Android App Bundler (AAB), fugindo do sistema APK. Mas o que é um APK? Pois bem, isto torna-se fundamental para se compreender o que a Google pretende e quais as suas implicações.

APK?

Os ficheiros APK fazem parte do universo Android desde os tempos da Android Market. O que este ficheiro tem, na verdade, é todo um conjunto de códigos a respeito da sua aplicação, quer de funcionalidades, quer no que toca a segurança. O APK tem, como tal, a sua assinatura própria por forma a que o sistema identifique se a aplicação está, ou não, instalada. Isto, apesar de parecer básico, ajuda no momento de se atualizar a aplicação recorrendo a lojas externas. Isto é: posso instalar a aplicação por meio da Play Store para, mais tarde, descarregar uma atualização pela Galaxy Store, por exemplo. Isto é possível pela assinatura que é a mesma e está no controlo do programador. Mas, se a atualização vier de uma loja que não seja de confiança, o processo pode falhar por conta desta mesma chave e que dá ao utilizador a informação de que algo não bate certo.

O que é o App Bundles?

Apesar de se pensar, pelas notícias, que os APK vão desaparecer, isso é errado. Aquilo que existe é um complemento do App Bundle na hora de ajudar um programador a desenvolver e a disponibilizar uma aplicação. Estes "pacotes" vão desde aos diferentes tipos e tamanhos de ecrãs, idiomas, sons, imagens, aspetos de visualização, entre outros componentes que fazem parte de uma aplicação e diferem do código presente num APK. Assim, da mesma forma que existem centenas de dispositivos Android, é necessários aos programadores desenvolverem diferentes tipos de APKs da mesma aplicação e que vá de encontro às diversas especificações existentes no mercado/população.

Fonte: Google

Como devem imaginar, tudo isto numa única aplicação ocupa espaço e faz com que diversos recursos sejam descarregados desnecessariamente para os nossos smartphones. Exemplo: porque me interessa ter uma aplicação a descarregar um idioma russo ou chinês? Porque não descarregar só o que irei utilizar? É isto que este App Bundle visa resolver, em que os programadores poderão fazer upload direto para a Play Store destes diferentes "módulos de APK" para que se tenha em conta cada aspeto do dispositivo do utilizador. A imagem em baixo ajuda a perceber este ponto (a Dynamic Delivery - Entrega Dinâmica):

Fonte: Google

A Google, após o programador introduzir os diferentes pacotes que fazem parte da aplicação, entrega ao utilizador aquilo que este necessita. Isto traduz-se em downloads mais rápidos e menores em tamanho. Isto também acaba por reduzir a pirataria, já que um utilizador nunca terá acesso à totalidade da aplicação, mas, por outro lado, torna tudo muito mais seguro.

Outra grande mudança

Esta segurança vem de uma nova alteração: enquanto antigamente (para novas aplicações a partir de agosto, ou para programadores que queiram já mudar para esta forma de desenvolver) eram os programadores detentores das chaves de autenticação de cada download feito, agora passa a ser a Google a ter acesso e a guardar estas chaves de validação específicas.

Isto, por si só, parece bom. Mas, se nos lembrarmos do que significa o Android para muitos, ficamos conscientes de que como é a Google a guardar estas chaves na Play Store, muito em breve as coisas poderão tornar-se duras para as lojas alternativas. Como não têm acesso a estas chaves de validação, a Google parece estar a seguir o caminho da Apple no que toca a um universo e ecossistema seguro e restrito (por meio da sua validação).

Numa altura onde a própria Microsoft anunciou que, no seu Windows 11, o sistema iria suportar aplicações com base no formato APK por meio da loja da Amazon (uma loja terceira), esta alteração da Google poderá trazer, a longo prazo, alterações na forma de como esta "funcionalidade" funciona.

A Google, consciente deste murmúrio crescente por parte da insegurança dos programadores no futuro das suas aplicações, começa a procurar alternativas. O certo é que esta mudança veio para ficar (foi anunciada o ano passado) e, quer ela seja amada ou odiada, poderá provocar mudanças interessantes na forma como o Android é visto e, em última instância, funciona.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.