Opinião

Open-source e o poder da comunidade na evolução tecnológica

Pedro Rodrigues
4 de Mai de 2021
3 minutos de leitura
Tecnologia

Índice

O desenvolvimento e distribuição de software é diretamente influenciado pelo tipo de licença sobre a qual este software se encontra. Esta licença irá impor o tipo de uso que os utilizadores do software lhe poderão dar.

Atualmente grande parte das empresas de desenvolvimento de software trabalham principalmente com licenças proprietárias, que determinam que o criador do software (ou seja, a empresa) detenha a propriedade intelectual do mesmo.

Isto impede que o código seja analisado, visto e até melhorado, por qualquer pessoa que não o criador. Em termos monetários, estas licenças são fantásticas para as grandes empresas pois impedem a concorrência de espreitar de que forma é que determinada aplicação foi desenvolvida. Por outro lado, bloqueiam o aparecimento de novas ideias que podem melhorar este software e limitam a criatividade e o possível crescimento tecnológico.

Com isto em mente, foram criadas diversas licenças que permitem a utilização, leitura, alteração e distribuição de software, que são normalmente denominadas de open-source (Código Aberto).

Open-Source

O termo "open-source" é utilizado em referência a algo cujo design está disponível abertamente, para que qualquer pessoa o possa visualizar e partilhar.

É maioritariamente associado a software, dado que inicialmente representava uma abordagem diferente no desenvolvimento de programas, tendo ainda assim vindo a abranger uma série de novas áreas tais como o desenvolvimento de automóveis e edifícios, passando pela culinária (e se os grandes chefs divulgassem as suas receitas para que as pudessemos tentar repetir em casa e aprender com elas?) e pela ciência, com o caso mais recente a ser a divulgação do código-fonte das vacinas desenvolvidas para a COVID-19.

Existem algumas confusões relativamente ao FOSS (Free Open-Source Software), principalmente relativamente ao preço a que estes programas são vendidos. Neste termo, o "Free" representa "Freedom", a liberdade que dá aos utilizadores de fazerem o que quiserem com o software, e não "Free" de grátis.

Photo by Max Duzij / Unsplash

Contribuições

Agora deves estar a questionar-te "mas porque é que as pessoas trabalham gratuitamente?"

Muitos dos contribuidores de projetos open-source tendem a fazê-lo nos seus tempos livres, utilizando assim estas contribuições como uma forma de ajudar outros projetos e também melhorar as suas próprias capacidades (uma vez que muitos dos contribuidores são programadores, e estão no fundo a aprender enquanto o fazem).

Para além disso, o sentido de comunidade e de ajudar no crescimento de projetos nos quais acreditamos é um dos principais pontos que tem feito a comunidade open-source crescer tanto nos últimos anos.

Sabes aquela ideia espectacular e bastante útil que pediste à empresa que faz o teu software para implementar e eles ignoraram?

Podias ser tu a implementá-la ou expor o pedido e contar com o apoio de alguém que a achasse igualmente útil e a conseguisse pôr em prática.

Como é que as empresas ganham dinheiro?

Já percebemos porque é que as pessoas contribuem de forma gratuita, mas e as empresas? Porquê desenvolver algo que está disponível para toda a gente, incluíndo a concorrência?

As várias possibilidades incluem a venda do software como um serviço, normalmente associada a uma subscrição, permitindo uma redução dos custos de desenvolvimento e uma maior ligação às necessidades dos seus utilizadores. Um bom exemplo deste sistema é a plataforma Wordpress da Automattic, que disponibiliza o código abertamente e de forma gratuita, cujos rendimentos provêm da venda de extras tais como temas, backups e outras funcionalidades.

Para além disso, também é comum a venda de apoio aos utilizadores e de certificações pelas empresas.

Porque deve um não-programador utilizar programas open-source ou proprietários?

Os principais pontos a favor são o controlo, a segurança e a estabilidade. Quando um sistema é fechado, todo o controlo está do lado do criador, que o pode parar de trabalhar nele a qualquer momento, parando assim as atualizações que possam ser necessárias.

Por outro lado, num sistema aberto, a existência de problemas ou vulnerabilidades importantes pode ser imediatamente assinalada e explorada pela comunidade de forma a resolver este tipo de questões o mais rápido possível.

É ainda possível contribuir para software open-source não sendo da área do desenvolvimento, como por exemplo propondo traduções, acrescentando algum tipo de documentação, e até mesmo apenas utilizando o produto, o que pode ser importante para a deteção de bugs ou erros que possam existir.

Os exemplos mais conhecidos

O número de programas que utilizam licenças open-source tem vindo a aumentar substancialmente, sendo o browser Mozila Firefox, a plataforma de criação de conteúdo WordPress, a ferramenta de desenvolvimento 3D Blender alguns dos exemplos mais conhecidos em diversas áreas, juntamente com os Sistema Operativos Android e Linux.

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.