Ciência

Reator de fusão nuclear quebra novo recorde

O KSTAR, um reator de fusão nuclear sul coreano, bateu o seu próprio recorde ao operar por 30 segundos a 100 milhões de graus Celsius.

Daniel Gomes
30 de Nov de 2021
2 minutos de leitura

Há muito que a ciência procura fontes de energia eficientes e limpas como alternativas aos combustíveis fósseis. A busca por uma fonte de energia inesgotável conquistou agora mais um importante marco científico. O reator sul coreano tokamak do Korean Superconducting Tokamak Advanced Research (KSTAR) quebrou o seu próprio recorde ao trabalhar durante 30 segundos a um milhão de graus mantendo plasma superaquecido no seu interior.

A fusão nuclear tem vindo a ser estudada como alternativa aos combustíveis fosseis e para a geração de grandes quantidades de energia limpa. Tal como ocorre nas estrelas, a fusão nuclear produz quantidades de energia praticamente ilimitadas. Por isso, equipas de cientistas têm desenvolvido reatores de fusão nuclear, conhecidos como tokamaks.

Estes reatores nucleares fazem uso de ímanes poderosos o suficiente para controlar e estabilizar plasma que se encontra a queimar a milhões de graus dentro  do reator. Neste processo, os núcleos de átomos mais leves juntam-se para formar núcleos mais pesados, gerando energia no processo.

Desde a conclusão da sua construção em 2007 que o reator do KSTAR tem dado passos largos e importantes nesta visão da criação de energia limpa por fusão nuclear. Em dezembro de 2020, estabeleceu o recorde mundial ao manter o plasma a 100 milhões de graus Celsius por 20 segundos. Quase 1 ano depois, o KSTAR superou-se a si próprio, estabelecendo o recorde em 30 segundos.

Sucessivas otimizações do sistema de aquecimento e melhorias do campo magnético do tokamak foram importantes para conseguir atingir este marco. Mas a equipa não se fica por aqui e pretende até 2026 bater o seu recorde até atingir os 300 segundos.

A Coreia do Sul não está sozinha nesta jornada da fusão nuclear. Em maio deste ano, a Athomic Authority do Reino Unido anunciou que desenvolveu com sucesso o primeiro sistema de exaustão tokamak, que agrega a mais valia de reduzir as temperaturas dos sistemas tokamak, permitindo-os operar por mais tempo. Uma startup americana do MIT e apoiada por Bill Gates também apresentou um íman tão poderoso quanto eficiente para integrar com os sistemas tokamak.

Todos estes avanços são incrivelmente importantes para um futuro mais sustentável e eficiente. No entanto, podemos esperar que tais sistemas não serão uma realidade para breve, devendo levar pelo menos uma década até passar de experiência científica para uma realidade viável. Atualmente, a energia que consome para executar é vastamente superior à que produz na fusão nuclear. Resta-nos esperar que os desenvolvimentos científicos nesta área continuem a progredir favoravelmente e quem sabe se em breve não teremos um sol artificial a operar na Terra?

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.