Ciência

Relatório da ONU alerta para impacto inevitável e cada vez mais grave do aquecimento global

O relatório do IPCC revela que a ação humana é o principal motivo para as cada vez mais frequentes catástrofes ambientais.

Eduardo Silva
31 de Ago de 2021
3 minutos de leitura
Photo by Markus Spiske / Unsplash

O aquecimento global não é um tema novo para a sociedade, discutindo-se há décadas o impacto cada vez mais gravoso da ação humana para o ambiente. Os anos mais recentes têm sido frutíferos em catástrofes ambientais e cuja gravidade está diretamente relacionada com o aquecimento global.

O Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas das Nações Unidas  (IPCC) emitiu um novo relatório onde deixa claro que os fenómenos meteorológicos extremos continuarão a acontecer com maior frequência nos próximos anos, já que o impacto das alterações climáticas tem efeitos que, por esta altura, são já inevitáveis.

Photo by Chris LeBoutillier / Unsplash

Segundo o relatório, todos os países à volta do globo serão afetados pelo aquecimento global. No novo estudo, conclui-se que a ação humana foi responsável pelo aumento da temperatura média global em 1.1ºC entre os anos de 1850 e 1900.

Um aumento das temperatura média em 1.5ºC poderá significar uma maior frequência das ondas de calor, bem como alterações relativas às estações do ano, com verões mais longos e quentes, e invernos cada vez mais curtos. Uma elevação de 2ºC na temperatura média pode significar que, nas vagas de maior calor, serão mais facilmente atingidos os "limites de tolerância críticos para a agricultura e para a saúde."

Alguns destes efeitos têm sido especialmente notórios em 2021. O presente verão tem-se demonstrado impiedoso na Europa, com os países mais a norte a baterem recordes de temperatura máxima em vários dias nos meses de julho e agosto. A sul os efeitos são ainda mais desastrosos, com os fogos que têm devastado a Grécia e a Turquia.

As chuvas são outra das preocupações vertidas no relatório da ONU. As alterações climáticas vão significar alterações aos padrões e ciclos de pluviosidade, aumentando as chuvas em latitudes altas e reduzindo nas regiões subtropicais. A Alemanha foi uma das principais afetadas com as recentes chuvas que afetaram o país e causaram inundações desastrosas em território germânico.

Para Portugal, o impacto a médio-longo prazo deverá verificar-se pela subida dos níveis das águas que deverá implicar uma maior frequência de inundações costeiras, o que poderá ser preocupante para o país luso.

O relatório dá ainda destaque ao facto de as constantes ondas de calor levarem ao degelo do permafrost e ao fim das neves sazonais, bem como a diminuição dos glaciares e perda de gelo no Ártico.

Para Masson-Delmotte, doutorada cientista francesa, "tem sido claro, desde há décadas, que o clima da Terra está a mudar e o papel da influência humana no sistema climático é indiscutível."

Citado pela agência Lusa, António Guterres, secretário-geral da Organização das Nações Unidas, em comentário ao relatório este se trata de "um alerta vermelho para a humanidade."

“Os alarmes são ensurdecedores: as emissões de gases de efeito estufa provocadas por combustíveis fósseis e a desflorestação estão a sufocar o nosso planeta" — completou António Guterres. "Os países também devem acabar com novas explorações e produção de combustíveis fósseis, transferindo os recursos dos combustíveis para a energia renovável.”

O português não perde, no entanto, a esperança quanto a uma reação da sociedade à evidente gravidade e impacto da ação humana para as alterações climáticas, acreditando que "se unirmos forças agora, podemos evitar a catástrofe climática. Mas, como o relatório indica claramente, não há tempo e não há lugar para desculpas."

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.