Cinema e TV

Será My Name um sucesso ao nível de Squid Game? Ou será apenas mais uma perda de tempo?

Ricardo Sousa
23 de Dez de 2021
2 minutos de leitura

O sucesso sem precedentes do Squid Game, da Netflix, expôs como poucas pessoas têm realmente prestado atenção à diversidade de conteúdos de qualidade provenientes da Coreia do Sul. A ironia, evidentemente, é que Netflix é o principal exportador do mesmo. Grandes novos k-dramas têm sido lançados no gigante do streaming tanto semanalmente como em lotes de binge há já vários anos, e há um público considerável e entusiasta que o consome com muita voracidade. Para essas pessoas, Squid Game não foi nada de novo ou surpreendente. Mas o novo thriller de vingança em oito partes, My Name, poderia beneficiar da atenção de qualquer forma. Tal como a forma como Alice in Borderland está a dar o seu próprio golpe graças a um súbito interesse global na televisão coreana, esta série de ação sangrenta pode muito bem desfrutar de uma audiência mais vasta do que o habitual.

A premissa não é tão imediata - trata-se de vingança - mas a qualidade na produção e atuação é facilmente igual aos demais referidos anteriormente, tal é o padrão geralmente mais elevado do que a média dos k-dramas em geral.

Han So-hee, visto pela última vez em Nevertheless, interpreta Joon Jiwoo, uma jovem mulher determinada a vingar a morte do seu pai gangster com a ajuda do seu antigo chefe do crime associado, Mujin, e da sua organização sombria, que é conhecida como, simplesmente, bem... "A Organização".

Depois de treinar e planear durante anos, Jiwoo vai disfarçado na força policial, suspeitando que alguém dentro é responsável pelo assassinato do seu pai, e as coisas só se complicam a partir daí. Preocupada com a necessidade de vingança, a sua dupla identidade e as suas relações com novos aliados, tais como o colega polícia Pil-Do (Ahn Bo-Hyun) que pode muito bem ser apanhado no fogo cruzado quando a lei e o submundo se chocam, Jiwoo é apanhada no meio de uma luta complicada.

As sequências de ação, no entanto, das quais existem muitas, são onde ela mais brilha, dando golpes brutais que, no entanto, são fundamentados e estranhamente elegantes na sua coreografia. A maioria dos oito episódios correm perto de uma hora, mas não sentem essa duração graças a não serem demasiado densos com o enredo. Em vez disso, My Name persiste em brigas e sequências tensas, tais como rusgas policiais e aquisições de esconderijos, que realmente torcem o máximo de tensão possível das peças de set-pieces. O fascínio do binge-watch é também profundamente sentido, uma vez que a maioria dos episódios não termina em cliffhangers. O efeito global é de uma narrativa única e contínua que se desenrola organicamente como se as pausas do episódio fossem um inconveniente para ele.

É pouco provável que a fama de My Name seja igual ao impacto cultural Squid Game, mas é um série muito diferente digna da mesma atenção, dando um espetáculo bonito, envolvente, sedento de sangue e com muito estilo.

Sendo fã de quase tudo o que envolve a cultura K-Drama, posso realmente dizer que fiquei a gostar desta série de uma forma que não estava à espera, especialmente tendo como base as referências de Squid Game, Alice in Bordeland, e muitos outros. Mas e vocês? Será que conseguiriam vingar a morte de alguém próximo de uma forma tão inovadora?

Não percas pitada do UPDATED!

Assina a nossa newsletter para receberes as últimas novidades de Tecnologia diretamente na tua caixa de entrada.

Oops! There was an error sending the email, please try again.

Awesome! Now check your inbox and click the link to confirm your subscription.